SACRAMENTO DA EUCARISTIA (PARTE 2 DE 2)

Consagração

Tendo já investigado os aspectos sacramentais da Eucaristia, passaremos neste texto a explicar seu segundo caráter: culto de sacrifício [1].

Sacrifício, como explicado anteriormente, é a destruição de algo (ou, para os racionais, humilhação de si e rebaixamento da vontade) oferecido a Deus a fim de reconhecer Seu Senhorio sobre tudo. É bem óbvio que o Sacrifício de Nosso Senhor na Cruz satisfaz plenamente essa definição. O que provaremos é que o Sacrifício Eucarístico não só satisfaz a definição, como é aquele mesmo Sacrifício que Nosso Senhor ofereceu no calvário [2]. Continuar lendo

Anúncios

O SACRIFÍCIO DA CRUZ

13652688_1080415502042301_1764700766_n

Damos sequência a mais outro texto, o terceiro, da série sobre a Liturgia (os dois primeiros podem ser lidos aqui e aqui).

O texto é da autoria de Raphael Cavalcanti.

****************

 

1 Sacrifício Redentor

 

1 Necessidade de um novo Sacrifício

Jesus Cristo, imolado sobre a Cruz no Calvário, é o termo ao qual conduz essa longa série de vítimas imoladas desde o princípio do mundo. Com efeito, se o sangue dessas vítimas era ineficaz para aplacar a Divindade, surgia diante da humanidade, cada vez mais urgente, a necessidade dum novo Sacrifício, capaz de satisfazer plenamente a justiça divina.

1.1 Necessidade de uma satisfação condigna

A gravidade da ofensa mede-se pela dignidade da pessoa ofendida. Quando esta pessoa é um Deus infinito, a ofensa reveste uma culpabilidade em certo modo infinita, de lesa-majestade divina.
Continuar lendo

OS SACRIFÍCIOS JUDAICOS

the-lamb-illustration-1

Damos sequência, agora, ao segundo texto da série sobre a Liturgia (o primeiro pode ser lido aqui).

O texto é da autoria de Raphael Cavalcanti.

****************

 

Simbolismo e valor dos sacrifícios do Antigo Testamento

 

Ao demonstrar aos hebreus a superioridade do sacrifício e do sacerdócio de Cristo sobre os sacrifícios e sacerdócio do Antigo Testamento, S. Paulo declara que a Lei Antiga era apenas a sombra e a imagem das realidades da Nova Lei (cf. Hb 10,1).

O Antigo Testamento era, com efeito, a preparação do Novo. Nele se ocultava, como na raiz, a flor do novo Testamento que devia desabrochar à luz do Sol de justiça. Continuar lendo