SEMANA SANTA: TREVAS

ea576a2281e90f04d78a26b4e8ac5e37.jpg

Continuamos a série de traduções dos textos do padre Cekada acerca da Semana Santa (anteriores aqui: Domingo de Ramos; posteriores: Quinta-feira Santa, Sexta-feira Santa e Vigília Pascal). Texto original aqui.

Tradução por Karlos Guedes.

****************

 

O Ofício de Trevas: Rito Antigo vs. Rito de 1955

 

UMA DAS cerimônias mais dramáticas e místicas da Semana Santa foi o canto nas grandes igrejas do Ofício de Tenebræ (“Trevas”) nas noites de quarta-feira, quinta-feira e sexta-feira. Consiste nos Ofícios de Matinas (nove Salmos, nove leituras) e Laudes (cinco salmos, o Benedictus, uma antífona, Salmo 50 e uma coleta) do Breviário. Estas Horas são cantadas em uma igreja que vai escurecendo, durante as quais quinze velas em um candelabro triangular (ataúde) são apagadas uma por uma durante o curso da cerimônia. Continuar lendo

Anúncios

SEMANA SANTA: RAMOS

higher4pl1.jpg

Iniciamos há uns dias a Santa Quaresma. Nesse período, em paralelo às pesadas penitências que, maternalmente, a Igreja manda-nos fazer, invade-nos o pensamento na Semana Santa. A beleza litúrgica desse tempo, assim como a antiguidade das cerimônias cumula a alma cristã de graças e espiritualidade.

Para além da esfera litúrgica certamente salutar, existe entre os tradicionalistas uma crítica pungente a respeito da reforma operada sob o pontificado do Papa Pio XII na liturgia da desse período. Os textos dessa série falarão sobre o Domingo de Ramos (é o texto que se segue), o Ofício das Trevas, a Quinta-feira Santa, a Sexta-feira Santa e a Vigília Pascal no Sábado Santo. Pelo conteúdo do texto [original] e pelo conhecimento de padre Cekada, o texto está longe de ser exaustivo, mas apenas apresenta rapidamente sua visão e uma rápida comparação entre o que se chama rito tradicional (pré-55) e o novo (reforma de 55). Continuar lendo

LITURGIA GREGORIANA

Cirsto Rei na Liturgia Celeste.jpg

Há um tempo, devido a um pedido que me foi feito, organizei algumas coisas que serviram para ministrar umas “aulas” sobre a Liturgia da Igreja. Então, desde que essa introdução ao Rito Gregoriano, fruto de estudos pessoais, normalmente solitários e autodidatas, ficou sistematizada em slides e temas, nasceu a ideia de transformá-la em textos a serem publicados no blog.

Os textos seguirão este roteiro:

  1. Liturgia, Rito e Missa;
  2. breve história do Rito Romano, tipos de Missa e paramentos;
  3. ano litúrgico;
  4. rito da Missa em si mesmo;
  5. e, por fim, uma análise rápido pelos outros Sacramentos e o Ofício divino.

Seguindo desse modo, havemos de encontrar no Rito Gregoriano, o tesouro escondido, tendo sempre em mente aquilo que Nosso Senhor disse: “Onde está o teu tesouro, aí está também o teu coração” (Mt 6,21).