A SITUAÇÃO DA TRADIÇÃO

12717591_1568803170076775_1428153380327590988_nO catolicismo já há alguns anos passa por uma terrível aridez espiritual. Os verdadeiros católicos não mais são chamados assim. Ao invés, são agora tradicionalistas.

São Pio X afirma:

«Os verdadeiros amigos do povo não são nem revolucionários, nem inovadores, mas tradicionalistas» (cf. Carta Apostólica Notre Charge Apostolique, 39).

Por isso, chamou-me especial atenção o fim da Epístola de hoje da Missa (I Domingo da Quaresma) que é retirada de II Cor 6,1-10. O trecho que interessa:

Entre a glória e a ignomínia, entre a fama e o bom nome; entre a infâmia e o bom nome; julgados como enganadores e todavia sinceros; por ignorados, mas bem conhecidos, como moribundos e eis que vivos; como castigados e não mortos, como tristes, mas sempre alegres, como pobres, porém enriquecendo a muitos, como nada tendo e entretanto possuindo tudo (II Cor 6,8ss).

De maneira extraordinária, o que se passou com São Paulo há milênios se pode aplicar aos que querem ser católicos nestes tempos modernosos (tradicionalistas).

“Entre a glória e a ignomínia”, ou seja, entre o reconhecimento de poucos e o ostracismo de [quase] todos.

“Entre a fama e o bom nome, julgados como enganadores e todavia sinceros”; enquanto os neoconservadores defendem o indefensável, muitas vezes, o que nem eles mesmos acreditam, só dizemos o que recebemos – tradidi quod et accepi – sem uso de subterfúgios e evasivas mentirosas.

“Por ignorados, mas bem conhecidos”, porque somos os mesmos e professamos a mesma Fé de São Pedro e que Santo Atanásio, Santo Agostinho, os Santos Mártires romanos professaram. Mas eis que a hierarquia nos ignora, embora devesse nos conhecer.

“Como moribundos e eis que vivos”; pensaram que morreríamos, pensaram que nos sufocariam; mas eis que os seminários tradicionais pululam em vocação (de fato, não conseguem abarcar a todos que se dirigem para lá). Enquanto que nos seminários modernos, principalmente nas ordens religiosas, há falta de vocação.

“Como castigados e não mortos, como tristes, mas sempre alegres”; de fato nos caiu um castigo tremendo! E como nos acusam de que somos tristes e que a tradição é o “catolicismo do peso e do dever, preso no medievalismo”…

“Como pobres, porém enriquecendo a muitos”, pela doutrina verdadeira e pelo verdadeiro Sacrifício, pois eles têm as igrejas, nós a Fé (Santo Atanásio).

“Como nada tendo e entretanto possuindo tudo”, pois temos a Tradição dada por Nosso Senhor e a Fé verdadeira, temos tudo!

Anúncios

8 respostas em “A SITUAÇÃO DA TRADIÇÃO

  1. Bem simples:

    1) Você diz que os verdadeiros católicos são os tradicionalistas (entendo por isso quem é apegado ao rito tridentino e coisas do gênero – como se isso fosse a Tradição).

    2) Ainda diz que o resto dos católicos tem as igrejas, mas vocês a fé.

    Ora, se assim é, vire sedevacantista e saia de cima do muro como a FSSPX.

    Curtir

    • Não sei quem é você, mas esse tipo se comentário não será admitido aqui.

      Quem disse que os verdadeiros católicos são tradicionalistas foi São Pio X, não eu.

      Se seu entendimento do que vem a ser tradicionalista é errado, o problema não é meu.

      E sim, temos a Fé. E quem disse isso foi Santo Atanásio. Engraçado como são bonitas as palavras dele, mas ofende transpor algo do passado para os problemas presentes. Essa visão sempre de descontinuidade.

      Sobre a FSSPX, você deve ser sedevacantista, pois nem Bento XVI nem Francisco a vêem como cismática. Aqui é a visão maniqueísta.

      Então cuidado com a sua descontinuidade dualista.

      Curtir

  2. “Não sei quem é você, mas esse tipo se comentário não será admitido aqui.”

    Hum… então só são permitidos os que concordam com você. Ok, não vou perder mais meu tempo aqui.

    Curtir

    • Não, do contrário nenhum comentário seu seria aprovado. Ou há algum que eu rejeitei?

      O que não é permitido aqui é sua tática de acusar e não responder à réplica, ou seja, acusar por acusar. Se prefere fazer isso para não responder às perguntas, deixe claro, apenas.

      Você acusou de prepotente um texto que fala da tradição, apenas do respaldo de um Papa que é também Santo. Depois de refutado, ignorou.

      Revelou ignorar o que é tradicionalismo e mesmo assim continuou com a acusação.

      Por fim acusou de a FSSPX de cismática, apesar de ser reconhecida pelo Papa, pelo Vaticano e seus dicastérios. Mesmo assim, ignorou.

      Por isso repito, esse tipo de atitude aqui não é permitida. Reconheça quando errado, pois eu também faço o mesmo, quando erro.

      Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s